Featured

8/Ele é/custom

Não se preocupe em perder-se, pois é exatamente quando nos perdemos que nos encontramos.

by julho 07, 2019

Não se preocupe em perder-se. Pois, é exatamente quando nos perdemos que nos afrontamos, analisamos onde realmente estamos e voltamos ao lugar da nossa essência.
É na solidão que melhor nos ouvimos e sabemos do que precisamos, se aquilo que temos faz ou não alguma falta. É no nada em que o tudo e o nada começam a fazer sentido. Não adianta ter tudo, ser "o tal", ter status, tudo sobre o controle, ter uma casa grande e luxuosa, muitos a sua volta, ter os seus pés no chão... se não tiver discernimento, felicidade e VERDADE.
O melhor lugar para estar é onde o coração se encontra e se sente em casa!
Não precisa explicar nada pra ninguém, apenas viva a sua verdade.





Sobre a Autora: 
Thaís Fernanda   






Momentos bons não voltam, passado não se desfaz, mas sentimentos atuais fazem que o ontem se torne eterno. Em sua memória..

             



Não siga o seu coração!

by junho 22, 2019

“Siga o seu coração!”, não existe conselho mais nobre (em intenções) e pobre em resultado que esse. Explico.
Uma pessoa que tem uma das 3 características seguintes pode se dar mal com esse conselho:

1. Tem uma personalidade autodestrutiva
Pessoas amarguradas, exigentes, negativas, confusas, instáveis, ansiosas não podem ser mais candidatas a fazerem escolhas amorosas ruins. Elas nivelam a vida pelo pior aspecto, seu coração mira no pé, segui-lo é um pedido de sofrimento.

2. Histórico familiar problemático
Uma pessoa que teve referências familiares confusas, estranhas, problemáticas, tiveram uma escola amorosa ruim. Sua maneira de amar está contaminada, logo, seguir o coração é eleger parceiros que reproduzam modelos paternais ruins.

3. Relacionamentos amorosos problemáticos
Para quem se habituou a achar que briga, mentira, intriga, barraco ou competitividade faz parte de uma relação amorosa perdeu sua bússola de boa autoestima. Seu coração está muito desorientado para ser seguido.
Pense no tipo de condicionamento emocional que essa pessoa tem para fazer escolhas ruins. Se ela seguir o coração fará uma sequência de besteiras como sempre fez.
Inevitavelmente vai escolher um parceiro dominador, problemático, destrutivo ou infantil.
O resultado será de dois tipos:
1. A pessoa vai ficar ainda mais carente e achando que o próximo vai tirar o azar (não vai tirar)
2. Vai se fechar, achar que nenhuma pessoa presta e se tornar cética (e fazer novas escolhas ruins)
Qual o melhor conselho que se pode dar antes de seguir o coração?
1. Conheça a si mesma
2. Aprenda a fazer boas escolhas e cure suas dores emocionais
3. Conheça um pouco mais do comportamento saudável ou problemático dos homens que quer encontrar



____________________

sobre o autor

Sonhador nato, psicólogo provocador, autor dos livros Relacionamento para leigos (série For Dummies)[clique]Como se libertar do ex[clique aqui] e Mães que amam (demais livros e cursos [aqui]). Adora contar e ouvir histórias de vida. Nas demais horas pratica meditação, lava pratos, se aconchega nos braços do seu amor, Juliana e é pai de Nina..
Treinamentos online de “Como “salvar” seu relacionamento” e “Psicologia para não Psicólogos”
Youtube – SOBRE A VIDA [clique aqui]
Instagram http://instagram.com/fredmattos
Frederico A. S. O. Mattos CRP 06/77094
fonte: site Sobre a Vida

Solidão é a maior ilusão

by junho 20, 2019

A sensação ilusória de vazio, vez ou outra, 
A solidão pode trazer-me. 
Mas, é somente com a solitude, no entanto, 
Que cheio se torna o meu vazio.

Dentre a musicalidade de sua mudez, desvencilho-me;
Da mesma forma com que,
De maneira inversa, mordiscam-me
O silêncio de demasiadas palavras paralelas.

Companhia: na solitude é onde eu a encontro,
E onde com os melhores amigos encontro-me,
E, das doçuras da existência, eu provo.
E onde atravesso o espelho adentro.




Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             



Me haver comigo mesmo.

by junho 20, 2019

Oi. 
Gostaria de conversar. 
Comigo. 
Talvez essa seja a hora mais oportuna para atravessar o espelho adentro.
Talvez eu imoderadamente cogite rasgar, cortar essa cortina tênue entre mim e eu. 
É tão difícil assim acessar a mim? 
Me haver comigo.
Eu comigo mesmo.

Não posso dizer que é fácil. Não é simples. Pode exatamente constranger tanto quanto o pudor de se estar totalmente nu. Seria o receio de me afogar?
Talvez seja o momento no qual eu cobiço sentir qual textura tem minha voz e minhas palavras, o cheiro do meu olhar, do me próprio toque; pois, vez ou outra, se faz necessário provar da nossa própria comida apenas para – quem sabe – constatar nossa súbita surpresa. 
Sim, talvez seja a hora de suportar o peso da pressão apenas para resgatar o que caiu do navio.
Pressagio este momento há milhares, talvez centenas de milhares de voltas que o mundo já deu; a contar do instante em que o pudor rispidamente cortinou-nos, sem intensão alguma de retirá-la futuramente.
Gostaria de conversar.
Comigo. 
Gostaria de me ver, me ouvir; relutando para não perder o fôlego. 
Mas, permitiria eu tamanha ousadia?




Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             




Quero estar, quero me sentir vivo

by junho 18, 2019

Uma súbita leve fraqueza. O que houve? O que eu fiz? O que meu interior percebeu e eu conscientemente não? 

Aprendi que minha natureza sempre se comunica comigo, e estou percebendo cada vez mais como essa comunicação se dá, na mesma medida em que eu adquiro mais autoconhecimento. E meu corpo, o meu coração, estão tentando, talvez, me dizer algo. Uma angústia sem lógica; de repente, sem motivo aparente. 
Hoje, eu estou assim.

Tento buscar na minha mente o que o que gostaria de fazer para escapulir dessa sensação. A resposta me surpreendeu: nada. 

Óbvio. Com tais sensação, quem teria ânimo para fazer alguma coisa, mesmo sendo algo positivo. Até pensei em estar viajando; mas, não, eu não gostaria de estar viajando. Não queria estar num belo jardim ensolarado lendo um bom livro. Não queria estar com as melhores pessoas. Me sentindo desse jeito, não. 

Enfim, nada, absolutamente. Nada afora estar na cama, esperando que tudo isso passasse. Daí a resposta caiu rapidamente, feito um reflexo de luz no espelho. O que eu quero? O que eu realmente quero? 

Quero o máximo do que eu posso obter. Eu quero tudo e mais um pouco. Eu quero estar vivo. É isso o que eu quero, independentemente do que eu esteja a fazer, do lugar em que eu estiver, do que eu vir. Eu quero determinante e definitivamente me sentir vivo. É isso o que eu quero; no presente, e para minha vida toda. 

Agora, enigma: como ficar vivo? 

Sobrevivendo, apenas? Sobrevivendo aos dias, às fraquezas, às angústias, meio as dores? Sobrevivendo? Ou, talvez, meramente existindo? Aceitando, passivo, seguindo.

Desvendar o referido código é sair para labutar na sua horta; e isso leva tempo, já que somos todos muito bagunçados. 

Os presentes da vida – os frutos – são conquistados; e não se faz justiça ou se promove a responsabilidade alheia fornecendo recompensas sem ao menos antes estabelecer uma troca mútua. A vida resumi-se em troca; afinal, não existe fonte infinita, que só doa. O que seria da natureza - da sua natureza - sem a troca recíproca? 

A arvore, portanto, não dar-te-á frutos se você, por sua vez, não lhe fornecer nutrientes e cuidados. 

Então, que tal limpar o peito, a mente, sua alma, seus verbos, para assim, então, exigir presentes da vida?




Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             


Nascer de novo

by junho 11, 2019

Hoje estou fortalecido
Hoje meu alcance está mais além
Não me atento em ganhar louros
Banco com o meu coração
E se eu sonho o que vejo nas nuvens
É porque eu posso; afinal,
Somos do tamanho dos nossos sonhos
Somos do tamanho da nossa imaginação

Hoje, o brilho acende em mim
Hoje, eu já passo a voar
Construí e cuidei das belas e delicadas asas
Sem as fantasias que pesavam
Já sou capaz de ver minha verdadeira face 
Hoje todos a veem. 

Posso sentir o meu toque, o meu som
Meus ouvidos ouvem
Meus olhos, não mais cegos.
Joelhos ralados, rosto molhado,
No passado estão emoldurados 

Eu enfim posso tocar no sol
Hoje, a lua enfim desceu
Enfim posso sentir o calor depois da madrugada fria
Eu nasci de novo






Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; viajar, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             

About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.