Featured

8/Comportamento/custom

Proteja a sua luz. Muitas serão as sombras que tentarão te impedir de brilhar

by outubro 06, 2021


Proteja a sua esperança. Muitos serão os motivos que tentarão te fazer desistir. Proteja a sua fé. Muitos serão aqueles que tentarão te convencer de que você não é capaz. Proteja a sua luz. Muitas serão as sombras que tentarão te impedir de brilhar. Proteja a sua capacidade de amar. O ódio tem falado alto, e só o amor é capaz de silencia-lo. Cuide dos teus, ofereça-lhes presença, atenção amor. Não deixe que os fantasmas do passado, e a ansiedade do que o futuro te reserva, te impeça de valorizar o presente, porque o que realmente importa, está aqui e agora. Cuide dos teus pensamentos. Nem tudo o que pensamos sobre nós é verdade. Nos momentos de ansiedade, angústia, medo e decepção, nossos pensamentos podem nos levar a lugares perigosos, onde questionamos e duvidamos da nossa capacidade e do nosso valor. Proteja-se, cuide-se, seja grato, adicione bondade e generosidade nas tuas ações e intenções, e não se esqueça de ser feliz, do seu jeito, no seu tempo, e da forma mais bonita que puder.

-Wandy Luz


Wandy Luz: 


Wandy Luz   Colunista e Apresentadora. Moro em Londres há 11 anos. Tenho muitos defeitos para ser perfeita, mas sou abençoada demais para ser ingrata. Muitos descobrem seu dom de escrever durante a vida, eu descobri a vida, enquanto escrevia. compartilho emoções, sensações e opiniões. Compartilho em cada vírgula, em cada ponto de exclamação, as batidas do meu coração, os suspiros da minha alma, e a alegria do meu espírito Sitewww.wandyluz.com.br  
                 

O Poder da escrita - (Victor Garcia Preto)

by outubro 05, 2021



Sobre o Autor: 
Victor Garcia Preto   
Formado em Ciências Contábeis. 29 anos, Resido Ribeirão Preto.  Tenho um perfil de textos no Instagram: @textosinceros. Segue lá.

              


[ Ler artigos de Victor ] 

O Poder da escrita


Mais uma vez, venho, de alguma forma, expor minha visão sobre a importância da literatura e da comunicação e de como ela exige responsabilidade. Não é a primeira vez que escrevo sobre a maneira com que uma simples frase pode melhorar ou piorar a vida de alguém. Esclarecer ou confundir. Libertar ou aprisionar. As palavras possuem muito mais poder do que parece. E quem escreve, mesmo não parecendo ser uma figura tão relevante, também. Por esses motivos, é preciso cuidado com o que se escreve, na forma e no conteúdo.

A precipitação ao expor ideias, opiniões e sentimentos pode causar danos muito maiores do que se pensa.

Procuro gerar reflexão no que escrevo. Espero ser bem sucedido nas linhas abaixo. Não se trata de um ataque a qualquer pessoa, mas a tentativa de abrir espaço para debates, externos ou internos.


Em boa parte das situações da vida não existe uma única maneira de executar ou enxergar uma conjuntura ou contexto. E é necessário entender que dentro de qualquer fato existem muitos detalhes que podem fugir do nosso conhecimento quando não analisados com cautela. 

Estabelece-se verdades absolutas, e o pior, quando escritor e/ou formador de opinião, impor - mesmo que de forma camuflada e velada - que seus leitores, seguidores e apoiadores, compartilhem dessas mesmas ideias, tratando-as como verdades absolutas, não podendo existir a possibilidade de se pensar diferente, de enxergar a perspectiva da mesma forma.


Aplaude-se quando uma obra literária ou áudio visual foge da ideia de maniqueísmo, quando há um lado bom e outro mal. É elogiável quando nessas obras mostram personagens e grupos complexos, que não necessariamente estão amarrados entre um lado e outro. Contudo, por diversos motivos, aplicam esse maniqueísmo em casos práticos da vida, não necessariamente de forma proposital. O mesmo vale quando uma conhecida história é reformulada, repaginada, informam novas perspectivas. Boa parte desse são intolerantes com qualquer apontamento que fuja ao que julga ser verdade absoluta na vida real. Há casos que as obras dos escritores e roteirista são quase antagônicas a sua postura no mundo real.


A sociedade se tornou confusa, em todas as áreas, regiões, grupos sociais. Todos se contradizem de alguma forma, não toleram divergências de posicionamentos e tendem a ter muitas atitudes que não se adequam ao discurso. Em alguns casos essa disparidade é maior, em outras menor. Há situações involuntárias e outras por má intenção. Ninguém está isento desse erro, em maiores ou menores proporções.
Por isso é preciso entender que verdades absolutas são perigosas. Algumas delas formuladas não pelo nosso conhecimento, mas por nossa ignorância. Independentemente do grau de instrução. Embora importantes, formações acadêmicas e quantidade de material lido não necessariamente formam pessoas mais esclarecidas, pois o conhecimento, a sabedoria, a percepção vão além dessas formas de conhecimento.


Caso um indivíduo leia a vida inteira livros com uma única linha de pensamento, com eventuais variações mínimas, jamais saberá que existem autores que defendem outro ponto de vista. É possível se cegar mesmo se informando. Outro ponto, é que qualquer criador de conteúdo, por mais virtudes que possua, também está preso às suas limitações, e é possivelmente vítima de elementos enganosos e distorcidos.


Para ficar claro, não estou desprezando nenhuma fonte de conhecimento, apenas defendendo que não necessariamente algumas delas sejam o suficiente para uma analise macro de qualquer situação ou até mesmo da vida. Basta analisar o número de pessoas com acesso à informação, bom grau de instrução, e que não conseguem enxergar de forma ampla. A superficialidade move a maior parte das análises e opiniões modernas, mesmo revestidas de aparentes reflexões e com a falácia de terem grandes embasamentos teóricos. 


Se um único detalhe for omitido, toda a elaboração de ideia pode cair por terra. Um pequeno detalhe pode prejudicar toda uma tese, fazendo-a se sustentar em um ou mais pilares falsos. Em muitos casos, especialidades na área não encontram um consenso, mas logo aparecem pessoas, com domínio na área ou não, afirmando inúmeras verdades. Qualquer assunto pode ser manipulado, de forma proposital ou não, por pessoas simplesmente equivocadas ou por mal intencionadas.


Geralmente, não se analisa a informação com o cuidado que deveria. Extrai-se o que intensa, ou que deseja, para reforçar o que defende ou desconstruir o que se opõe. 


Os pré-conceitos se fazem cada vez mais presentes, incluindo em muitos daqueles que se posicionam acidamente contra eles. Tudo que degrada o que se defende é chamado de 'Fakenews". Elas existem, mas não podem ganhar esse rótulo por agradar ou desagradar, mas pelo seu embasamento.


Não se trata de relativizar tudo, ou pregar que todos querem o melhor para o mundo de sua maneira. Pois acredito que nem tudo é relativo, e que nem todos querem o bem do próximo, ou em algumas vezes, mesmo que queriam, estão em caminhos ao contrário do seu desejo. Contudo, é preciso entender que nossa percepção sobre a verdade é falha, mesmo que essa em essência, não seja.


Como escritor, acredito que meu grande desafio é escrever de forma que se torne acessível para pessoas das mais diferentes condições e características. Que motivem os mais diferentes indivíduos a lerem ou se interessarem pela temática. Não se agrada a todos, mas conseguir comunicação com os diversos. O ser humano, por maior que seja sua diferença com relação a outro, possui fragmentos em comum. Muitas das sensações e sentimentos são universais. Mesmo que codificadas de forma diferente. É escrever pensando em todos, em que qualquer ser humano possa ser o seu leitor, e não simplesmente se direcionar a uma bolha, grupos que compartilham as mesmas ideias e moldando as opiniões para agradá-los e/ou atraí-los.


Se tenho como objetivo tocar a todas as camadas, dificuldade também em entendê-las. Infelizmente, muitas vezes, quando se alcança algum patamar que permite algum privilégio, acessos que nem todos terão, se afasta da realidade. Não estou generalizando, mas é comum se fechar em uma bolha. O escritor deve enxergar a realidade das massas, mesmo que não desenvolva obras popularescas. Há situações que deve entender a prática, na linha de frente, e não apenas as teses científicas e literárias. É preciso entender o real, fugir do caricato ou especulativo.


A importância da leitura é sabida por todos, e como escritor desejo que as pessoas tenham o constante hábito de leitura. Mas é preciso equilibrar tudo que o conhecimento teórico - não necessariamente sendo ficcional ou até mesmo literário - com as vivências práticas, as situações reais, que abrangem a realidade de muitas pessoas. Entender que há fenômenos que não se resumem as explicações lógicas e contextos que não podem ser rotulados ou mesmo agrupados por conhecimentos adquiridos ou experiências de situações anteriores.
Compreender que pessoas com vasto conhecimento em determinadas áreas, não necessariamente estão capacitadas como se imagina em outras circunstâncias.


Se torna menos alienado que entende as inúmeras possibilidade de mergulhar na ignorância. Há pessoas que nunca aprenderam a ler e entendem muito mais da vida do que vastos intelectuais, alguns deles até com notória fama, espaço na mídia e palestras de grande impacto. A leitura, ou outra forma de conhecimento, por mais apaixonante que seja, não necessariamente nos faz dar um passo adiante. Ou pelo menos, o passo pode não ser na direção correta.

A vida que levamos depende daquilo que decidimos acreditar

by setembro 28, 2021


A vida é sempre boa. Mas a vida que levamos depende daquilo que decidimos acreditar, e de quem escolhemos ser. Para todo o mal, a única resposta é o amor. Para toda dor, a única resposta é Deus. Para toda angústia, o único conforto é confiar na sabedoria do tempo. Para todo descaso, doses altas de empatia, porque o que não é bom para os outros não é bom para nós. Para o caos, só existe uma saída, buscar a paz, de dentro para fora. Porque rebater não resolve. Reclamar não muda nada. Desespero atrai mais escuridão. A tristeza apesar de ser inevitável, infelizmente não resolve, não muda nada. O ódio só intoxica. Para sobreviver às tempestades, precisamos aprender a dançar na chuva, celebrando a força dos trovões com a mesma leveza que permitimos os raios do sol tocarem a nossa pele. Para almas famintas, omelhor alimento é a gratidão. A vida é reflexo, por Isso sorria, e ela sorrirá de volta para você.

Wandy Luz: 

Wandy Luz   Colunista e Apresentadora. Moro em Londres há 11 anos. Tenho muitos defeitos para ser perfeita, mas sou abençoada demais para ser ingrata. Muitos descobrem seu dom de escrever durante a vida, eu descobri a vida, enquanto escrevia. compartilho emoções, sensações e opiniões. Compartilho em cada vírgula, em cada ponto de exclamação, as batidas do meu coração, os suspiros da minha alma, e a alegria do meu espírito Sitewww.wandyluz.com.br  
                 

Escritores NÃO são perfeitos - (Victor Garcia Preto)

by setembro 08, 2021

Autor do texto - Victor Garcia Preto  

Esse é um texto que se originou de algumas reflexões internas. Pois creio que quando transcrevo ao papel minhas ideias, opiniões, reflexões e sentimentos, corro o risco de transmitir ao leitor uma figura idealizada, o qual sempre é sensato, erra pouco e tem percepção fluente do mundo. Não é uma regra que se aplica a todas as situações. Muito pelo contrário.


No dia a dia, escritores vivem como pessoas comuns. Não há observações e poesias o tempo todo; pelo contrário, tendemos a usar a árdua realidade - compartilhada com qualquer ser humano - e transformar em palavras - algumas vezes belas; em outras, nem tanto.


Minha rotina possuí seus percalços. Embora atualmente seja um profissional da literatura, esta não é minha única atividade. Moro relativamente próximo ao local onde trabalho e por isso vou e retorno do meu trabalho a pé. É um interessante, pois faço atividade física e não preciso dispor de um veículo para usá-lo. E nesse momento de pandemia, é comum observar algumas situações, cruzar frequentemente com pessoas, que por motivos diferentes caminham pelo local e eventualmente nos cruzamos.


Nesse período, é nítido que o psicológico de todos está afetado com a situação pandêmica. Creio encarar de modo razoável a maior parte do tempo, mas todos estamos sujeitos a preocupações e medos, por todo o contexto momentâneo.


Você está preocupado com sua família, seus amigos e consigo mesmo. Usa máscara, procura se higienizar, usar álcool em gel, não se aglomerar. Estou há muito tempo sem ver minha sobrinha, por exemplo. No entanto, como todo mundo, precisa continuar a vida, dentro do possível. Vou a pé para o trabalho por escolha e por achar o melhor método, e creio ser normal esperar dos próximos que, assim como eu, que convivem em sociedade, mantenham o mesmo respeito. Dizer que se não quero cruzar com pessoas que não usam máscara ou não aglomeram é o mesmo que alguém te fechar no trânsito e justificar dizendo que se você não quer sofrer esse tipo de situação não deve dirigir.


Quando, por mais de um ano, vejo pessoas cruzando comigo praticamente todos os dias, sem usar máscara e muitas vezes inclusive dificultando que eu passe em um espaço considerável, me sinto sim, desrespeitado. A maior parte das pessoas possuem justificativas. Nenhuma - ou praticamente nenhuma - convincente.


Transitar todos os dias, demonstrando falta de respeito. Não se trata de andar sem máscara e colocá-la quando alguém se aproxima, mas simplesmente não usá-la. A impressão é que sau de casa sem nenhuma no bolso ou mochila.


Você cruza passarela, todos os dias na ida e na volta, muitas vezes anda na rua, para evitar cruzar com alguém na calçada, tenta manter a calma, mas a frequência com que um número considerável de pessoas demonstra esse desrespeito vai desgastando, como uma dor que não é insuportável imediatamente, porém, que aos poucos, pela duração em que lateja, vai gradativamente se tornando insuportável ou próximo a isso.


Algumas parecem ter prazer em demonstrar desrespeito. E nem mencionando aqueles que além de não usarem máscara, atravessam rua na sua direção, apenas para obrigá-lo a desviar.


Esperar que um ser humano seja sempre tranquilo nessa situação é muito difícil. Não são cenas que se repetiram eventualmente. Acontecem praticamente todos os dias, ou todos os dias, alternando algumas figuras, durante um período superior a doze meses.


Alguém poderá presenciar atitudes que aparentemente não condizem com o versos, parágrafos, contos e romances que escrevo. A verdade é que quando se sente desrespeitado, é difícil respirar poesia o tempo todo. Até porque, as palavras também são expressões de sentimentos negativos. Não é questão de ser desejado ou escolha, é um fato.


Você observa seu vizinho pregar o isolamento nas redes sociais, mas fazer festa. Defender o uso de máscara, mas todo o dia ter a infelicidade de cruzar com ele, saindo de casa sem máscara, bem no momento em que está chegando do serviço. O detalhe é que não importa o horário que chega, sempre é o mesmo em que irá cruzar com ele, comprovando sua hipocrisia.


Cruza com pessoas que o tempo todo discursam uma ideia e executam outra. Aos poucos tudo torna-se cansativo.


A grande questão está se eu, outro escritor, ou qualquer pessoa, independentemente de sua profissão ou outra característica, é capaz de tomar a decisão mais assertiva na maior parte das ocasiões. É difícil precisar. Principalmente as minhas, em particular.


Se pesquisarmos sobre a vida, obra e peculiaridades, encontraremos asteriscos nas biografias examinadas. Sejam por acusações - verdadeiras ou não - ou por relatos de atitudes insensatas. Haverá questionamentos, falhas, atitudes questionáveis, nos geniais aos comuns, dos famosos aos menos conhecidos. É possível, que como em toda a área, haja aqueles hipócritas e demagogos, que não vivem o que pregam. Acredito que a maioria simplesmente é suscetível a falhas e imperfeições, como acontece com qualquer ser humano.
Há dias com dor de cabeça, dor de garganta, desanimo, irritação, assuntos mal resolvidos, situações que tiram a tranquilidade. Nenhum formador de opinião está isento e imune a esses problemas.


O problema é que em alguém pode idealizar uma figura. Seja escritor, poeta, desenhista, escultor, quadrinista, músico, ator. Esse é o erro. Todos estamos sujeitos a falhas, e em alguns momentos, inúmeras.
Os erros de seus autores não diminuem seus textos. As criações, os registros, os enredos são válidos. As obras merecem os créditos, os autores, respeito, mas é perigoso idealizá-los, e me incluo, obviamente.
]  

Sobre o Autor: 
Victor Garcia Preto   
Formado em Ciências Contábeis. 29 anos, Resido Ribeirão Preto.  Tenho um perfil de textos no Instagram: @textosinceros. Segue lá.

              

O problema das deduções - (Victor Garcia Preto)

by agosto 12, 2021

 

Autor:  Victor Garcia Preto   

Deduzindo os fatos


É impressionante como o ser humano tem a capacidade de deduzir fatos e situações, sem embasamento suficiente. Por favor, não iniciem as teorias de sexto sentido feminino, pessoas ultrassensíveis ou qualquer parâmetro similar. A questão não é se há pessoas mais intuitivas que as outras, mas sim que todos estão sujeitos a cometer graves erros dedutivos. 


Muitas vezes se acusa a sociedade dessa mesma dedução danosa, especulativa e insensata, mas comete os mesmos erros que se sentem vítimas.


Um fato, um relato, uma aparência, uma única versão da história não são suficientes para dimensão precisa sobre uma situação ou pessoa, mesmo assim, não há pudor nas especulações.  Várias frases se tornaram lugares comuns, e podem ser usadas para descrever algumas pessoas, sem conhecer profundamente a vida de cada um: "Tal pessoa é muito acomodada", "Essa pessoa é muito inteligente", "essa pessoa não gosta disso", entre outras. As mais constantes afirmações fazem parte do cotidiano, sem nenhuma cautela. A questão não é se a afirmação é verdadeira, mas está em não conhecer a situação como deveria para presumir as mesmas.


Sem conhecer a vida do casal de namorados, comenta-se que esses não se casarão. Por qualquer justificativa. Quando esses se casam e esse é duradouro, as velhas conversas são esquecidas, inclusive negadas. Qualquer fato é motivo para uma série de teorias, fofocas, conversas paralelas. Se o casamento é muito precoce, gera boatos. Caso a pessoa demore para se casar, também sofre especulação. É inevitável. Durante minha vida convivi com várias pessoas que se irritavam com facilidade quando se especulava ou se intrometia em sua vida, mas com facilidade reparavam, especulavam e concluíam fatos sobre a vida dos outros. São atitudes que envolvem pessoas de todas as idades e de qualquer local do país. Trata-se de um mito acreditar que ocorre apenas em pequenas cidades do interior. Os cosmopolitas compartilham da mesma atitude, está ligada ao ser humano, e não a idade ou condições geográficas inserida, mas característica humana. 


Alguns sabem tudo que irá acontecer com uma pessoa que se viu apenas uma vez. Outros, presumem conhecimento de pessoas ou fatos que não acompanham há muito tempo.


Há certeza de conhecimento sobre tudo, mesmo sem ter certeza sobre a própria vida. 
É evidente que atirando o tempo todo, é possível acertar o alvo algumas vezes, mas os erros, além de muito maiores, tendem a serem danosos. 


Um simples comentário, feito à uma pessoa ou sobre ela, pode causar um grande dano. Uma informação desencontrada tem a capacidade de gerar no senso coletivo impressões completamente equivocadas, com possibilidade de afetar relações familiares, pessoais, amorosas e inclusive profissionais. A palavra é uma grande arma, para o bem e para o mal. 


Outro problema é basear todas as situações e contextos em seus valores e visão de mundo. Em outras palavras, é medir os outros com sua régua. 


Uma única informação não é suficiente para tantas certezas, mas não importa, para aqueles que adoram deduzir e propagar suas "brilhantes" deduções. Podem até não serem feitas com má intenção, o que não impede de serem prejudiciais. Uma biografia de mil páginas não pode ser resumida por uma leitura da página 135, mas isso acontecem constantemente. 


É possível que o comentário infeliz quebre uma luta de anos, de uma pessoa, buscando construir uma imagem. Ninguém sabe os motivos de alguma pessoa lutar a favor ou contra determinada estereótipo. Ou não mínimo, não querer falar ou que falem de determinado assunto. 


As relações pessoais são muito mais complexas e profundas do que o que se viu em um único momento, em uma cena, uma foto, um comentário em uma rede social. O mesmo vale para as pessoas. 

 
Você conhece alguém que nunca se casou, o que se casou mas não teve filhos, alguém que está com uma pessoa com diferença de idade considerável, ou alguém que se casou várias vezes. O primeiro ponto, é que as escolhas e/ou resultados da vida da pessoa, não interessa a ninguém, mas mesmo assim, há uma tentativa quase inevitável de se criar explicações para esses fatos, na maior parte das vezes sem nem mesmo conversar a respeito com os envolvidos, aqueles que podem falar com maior propriedade sobre o tema (é obvio que é um direito dessa pessoa não ter o desejo de comentar). Cada vida é única, cada caso ocorre de maneira específica, mas os "donos da situação", os gurus da verdade, padronizam todos os casos, sem uma análise sensata, e questiono inclusive se deveriam perder tempo analisando o que não lhes interessa. 


Algumas vezes se fala tanto de alguém por inveja, em outros, pode não ser esse o motivo, mas se cria espaço para pensar que esse seja o motivo.


Dentro dos exemplos mencionados acima, uma dessas pode servir com maior amplitude. Um casal que não teve filhos. Muitos podem especular que o fato nunca ocorreu porque eles não gostam de crianças, e inclusive espalhar tal notícia, contudo, muitos dos que fofocam e especulam sobre a vida alheia, provavelmente não sabe que esse casal queria muito ter filhos, tentou de todas as formas possíveis, mas não conseguiu. Um comentário estúpido, como o fato de não gostar de crianças, ou algo do gênero, pode chatear bastante um dos membros do casal, ou os dois. Situação desagradável, que poderia ser facilmente evitada, se não fossem tantas deduções. 


Todos estamos sujeitos a cometer erros, dizer algo desagradável, prejudicar alguém. A questão está em tentar evitar, diminuir as chances de estragar o dia de alguém, de ser o indesejado, o vilão na vida de um ser humano. Não interessa a intensão, a palavra desenfreada causa danos, mesmo revestida de ternura e doçura. Dependendo a situação, contribuir para o desequilíbrio emocional de alguém. Confesso inclusive, que já fui várias vezes vítima disso.


Alguém argumentará que você não pode valorizar os comentários de alguns, o que é verdade. O problema é que na prática nem todos estão preparados para se blindarem de comentários indesejados e até mesmo porque o momento pode ser muito delicado. Se a vítima não deve esperar que seu "agressor" mude a postura (estou falando dentro desse contexto específico), você como suposta pessoa "dedutiva" e que até mesmo involuntariamente pode prejudicar alguém, deve usar esses exemplos como reflexão. 


A verdade é que a conta chega para todos. Pessoas que costumam ser intrometidas, deduzem, especulam e espalham fatos sobre a vida de todos, muitas vezes se queixam da forma distante com que algumas pessoas as tratam. Não seria uma consequência?




Confiar, soltar e acreditar! - (Wandy Luz)

by agosto 01, 2021

Escrito por Wandy Luz

Desperdiçamos tempo e energia ao tentar controlar o que não pode (e talvez não deva) ser controlado. É preciso lembrar que tudo é um processo. Toda luta é um processo. Toda conquista, é um processo. Todos os nossos processos seguem um fluxo, que é guiado pela força benigna do infinito (Deus). Todo processo tem um objetivo, um propósito que é sempre bom, e para o nosso bem, nosso crescimento e nossa evolução. Deus está sempre fazendo algo, e isso, vai além da nossa compreensão. E honestamente, é cansativo tentar sempre superar, entender e controlar — tudo sozinho. Talvez a gente só precise confiar um pouco mais, e permitir que aquilo que não pode ser mudado, nos transforme e nos ensine a soltar, a acreditar e exercitar o poder da nossa fé.

-Wandy Luz



Wandy Luz: 

Wandy Luz   Colunista e Apresentadora. Moro em Londres há 11 anos. Tenho muitos defeitos para ser perfeita, mas sou abençoada demais para ser ingrata. Muitos descobrem seu dom de escrever durante a vida, eu descobri a vida, enquanto escrevia. compartilho emoções, sensações e opiniões. Compartilho em cada vírgula, em cada ponto de exclamação, as batidas do meu coração, os suspiros da minha alma, e a alegria do meu espírito Sitewww.wandyluz.com.br  
                 

About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.