Featured

8/Psicologia/custom

CORDEL: E se eu cair? - Eudes Sousa

by novembro 24, 2020



Autor do texto: Eudes Sousa   


Se um dia eu cair
levanto e bato a poeira,
ou eu aproveito a rasteira
e descanso bem aqui,
tiro um tempo pra sorrir
ou curo o peito ferido,
e procuro ser entendido
não duvidando jamais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair eu vou ser grato
por cada queda e arranhão,
por cada pedaço de pão
que encontrei no meu prato,
jamais vou ser ingrato
só porque estou caído,
tem coisas que não duvido
o motivo que se faz,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair eu aproveito
e descubro como avança,
mas não perco a esperança
nem procuro ser perfeito,
tô no chão eu logo deito
olho esse céu colorido,
e ouço com meu ouvido
cada som dos animais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair eu posso chorar
pra poder lavar o peito,
vou temer o que foi feito
já não posso mais mudar,
no passado eu estava lá
no pódio eu tinha vencido,
hoje posso estar caído
é assim que a vida faz,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair planto a semente
do amor e da empatia,
da esperança e da alegria
que faz falta aqui na gente,
planto na terra e na mente
o respeito a ser sentido,
e que possa ser excluído
a maldade que é demais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair eu vou juntar
cada pedaço que deixei,
tem coisas que desprezei
mas que podem me ajudar,
se eu cair sozinho lá
sem ajuda e tão sofrido,
e no caminho está perdido
minha fé perco jamais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair eu rego a flor
que tá plantada ao meu lado,
eu paro e fico um bocado
refletindo a minha dor,
não é o tempo é o amor
que cura o corte ferido,
a dor do peito iludido
com amor a dor desfaz,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair vou aprender
lembrando de cada momento,
e de cada ensinamento
que minha queda fez eu vê,
serve pra mim e pra você
se atente ao erro devido,
nem tudo está perdido
a mudança é tu que faz,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.
⠀⠀

Se eu cair não puxarei
o culpado da rasteira,
e mesmo que eu não queira
as vezes me derrubei,
e se na queda encontrei
um alguém também caído,
não me faço de metido
não nego ajuda jamais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.

Se eu cair vou levantar
sair do fundo do poço,
pois cada eco que ouço
é capaz de ensinar,
que pra poder recomeçar
e um caminho ser seguido,
não pode ser esquecido
o que aprende quando cais,
tem erros que valem mais
que um acerto adquirido.


(Eudes Sousa)

  

Eudes Sousa:  

Eudes Sousa   
Tenho 18 anos, capricorniano, acadêmico de pedagogia, colunista, escritor e cordelista. Nordestino, apaixonado pela cultura popular e pela literatura de cordel. Escrevo cordéis desde meus 12 anos, e de lá pra cá já escrevi de tudo um pouco. Procuro sempre levar mensagens positivas e motivacionais para as pessoas através de minhas rimas e versos. Tenho uma página no Facebook que se chama Eudes Sousa e seus Cordéis, onde sempre posto as poesias que escrevo. Instagram@_eudessousaa .
             



Direitos da imagem de capa: Anna Razumovskaya Lady In A Blue Dress painting 

ESTUDAR EM SALZBURG NA ÁUSTRIA - Walter Keppler convida Veronika Cecília para explicar sobre ano letivo em SZG

by novembro 24, 2020


Autor do texto e do vídeo: Walter Keppler  


VÍDEO: ESTUDAR EM SALZBURG


 As famílias quando se mudam para Salzburg-Áustria se preocupam com o bem estar dos filhos que precisam ser matriculados no ensino regular obrigatório e por ser algo complexo, Veronika Cecília, vem esclarecer detalhes importantes que vão auxiliar em muito na adaptação e integração com essa atividade social tão importante.


O PodCast Ilustrado Uma Razão A+ tem a característica de informar e orientar cidadãos brasileiros e oriundos de outros países que utilizam o idioma português para se comunicar.


Se inscreva no CANAL UMA RAZÃO A MAIS e receba notificação de novas postagens para que assim a sua vida seja mais confortável aqui neste país acolhedor que encanta pela cultura e beleza.






Sobre o Autor:  

Gestor Comercial e Produtor do PodCast Ilustrado Uma Razão A+ no Canal UMA RAZÃO A MAIS no Youtube. "Sou o que Sou e Sempre o Serei". Brasileiro, do Estado de São Paulo, vivo atualmente na Áustria. Já andei pelo Brasil inteiro e conheci pessoas, lugares e culturas das mais variadas. Quero andar pelo mundo porque onde tem gente, tem movimento, conflitos e soluções. E  por  isso  criei  meu  "slogan "  favorito que  me  acompanha  sempre: "Uma Razão A+ para Acreditar na Vida".   
Instagram: @umarazaoamais |  @walterkeppler2020 
Facebook: @umarazaoamais MeWe: https://mewe.com/i/kgwgeorg 
¹  ²         



A lógica do julgamento - Victor Garcia Preto

by novembro 18, 2020



Texto de Victor Garcia Preto


Sinceramente, inicio esse texto sem uma opinião concreta. Resolvi escrevê-lo como parte do que sempre proponho: abri espaço para a reflexão, geralmente silenciosa, entre os leitores.


Ao ler uma matéria do portal "Bol", no dia 16 de outubro de 2020, cujo o link está abaixo, comecei a refletir como as pessoas usam e manipulam qualquer informação para sustentar suas convicções.


Esse texto não se trata de juízo de valor e sim de refletir sobrem alguns pontos importantes do ser humano. 


Ao ler essa matéria haverá um grupo que irá se espantar, não acreditar que uma moça de Igreja seguiu esse caminho, enquanto outro irá apoiar, dizendo que ela se libertou da alienação da Igreja. Haverá quem outros grupos, esses dois formam a maioria.


Uma ótica vê a Igreja ou a religião como elemento libertador, e a pornografia como uma prisão, se afundando em um vício. Outro grupo enxerga exatamente o oposto. O que para um liberta, para o outro é a alienação, a prisão, e vice-versa.
Escolhi um tema delicado propositalmente. No entanto, a questão do comportamento humano, linha de pensamento e reação a qualquer situação.


Na matéria apresentada, conta que a moça dedicou sua juventude a compromissos da Igreja e a pastoral. Ainda muito jovem se tornou pastora, exercendo o cargo por vários anos. Em algum momento decidiu mudar radicalmente de vida. Como no trecho abaixo extraído da matéria:


"Nikole Mitchell, que passou o início de seus 20 anos na igreja, onde estudava para virar pastora, está aproveitando todo o sucesso — além de uma bela grana — no site OnlyFans, popular na indústria do entretenimento adulto. Ela, que hoje tem 36 anos, cresceu em uma família batista no estado de Ohio, tornando-se mais religiosa a partir do momento em que entrou na universidade"


Conta ela que ainda que entre 2001 e 2007 se dedicou totalmente a Igreja, não tendo nenhum envolvimento com homens. Abandonou essa vida aos trinta e três anos de idade.




É difícil afirmar a causa concreta que a levou a tamanha mudança de vida, porém, não tão difícil prever opiniões de pessoas - principalmente no Brasil - com relação ao caso. A grande questão está na observação que naturalmente pessoas e/ou grupos criam premissas estruturadas em informações, em exemplos, que não necessariamente se aplicam a totalidade e devem servir como evidência cientifica. 


Da mesma maneira que muitas pessoas irão usar a informação obtida para construírem a ideia de que as Igrejas e religiões oprimem seus fiéis de tal forma que é natural a mudança brusca, ignoram os inúmeros casos de atrizes pornôs, garotas de programa e ligadas diretamente a sexualidade e sensualidade, que se mudam de vida, se tornando religiosos fervorosos, verdadeiras 'carolas'. Casos que ocorrem com homens e mulheres. Em contraparte, os que possuem uma cosmovisão oposta ignoram que há vários casos de pessoas criadas na Igreja ou em uma prática religiosa e por algum motivo são se sentem felizes. Não necessariamente a mudança é brusca ao ponto de se voltar para uma sexualidade vista como desregrada, contudo, muitas pessoas abandonaram as prática religiosas, por qualquer motivo. Há casos no Brasil de atrizes pornô que os pais são evangélicos, e que a filha também frequentou a Igreja.


Você deve estar se perguntando o porquê dessas informações. Quando li a matéria passei a refletir como as pessoas se posicionariam em um suposto debate sobre o tema. Mais uma vez deixando claro que a intenção não é um juízo de valor, mas sobre os elementos que o rodeiam. Em qualquer assunto polêmico - como mencionado acima - as pessoas olham apenas os fatos, evidências e ponderações que nos interessam. Outro aspecto é sempre generalizar, como se uma situação que vale para alguém e/ou para si mesmo seja regra geral. De opinião, conduta, etc...


Em um texto relativamente recente nesse mesmo portal (https://www.papicher.com/2020/09/e-se-fosse-outra-versao.html ), comento sobre o negacionismo. Esse termo que se recuse a negar - muitas vezes de forma inconsciente - o que não lhe interessa. As pessoas são negacionistas de alguma forma. Algumas mais que outras. Convicções do mundo estão naturalmente implícitas em qualquer situação. Teorias geralmente são bem fundamentas são feitas, se baseando nessas convicções e geralmente ocultando fatos, evidências, pontos de vistas, e outros aspectos. 

O grande questionamento que faço é o seguinte: quem pode ditar as regras de conduta? Ter as verdades e explicações da humanidade?


Religiões e Igrejas, embora conectadas, não são a mesma coisa que espiritualidade, ou mesmo fé. Assim como a vida e história de vida de pessoas na prostituição ou pornografia vai além das atitudes.
O sexo, tão impactante na vida humana, é liberador ou aprisionador? Dependeria do modo como feito e exposto? Com quem e em que momento também faria sentido?


Um comportamento natural do ser humano (a prática e/ou desejo de sexo) independentemente de qualquer período ou localização histórica, visão cosmo política, gênero, preferências. O modo comum de gerar novos membros da espécie, não só a humana. 


Alguém poderá dizer que o sucesso está no equilíbrio e ponderação. Nem um extremo, nem outro. Não está errado. No entanto, é preciso entender que existem situações na vida em que é impossível afirmar o que está totalmente correto. Por mais que tenhamos parâmetros e que alguns provavelmente estão mais certos que outros. 


Outro aspecto é que nossa opinião tende a se basear em coletivismos. É difícil não pensar de forma igual ou muito parecida que pessoas que se convive. Seja colegas de escola, pessoas do ambiente de trabalho, Igrejas e instituições, ciclos de amizade em geral, etc...


Poucas pessoas tem personalidade para pensar e agir - de modo coerente ou não - de maneira individual, sem repetir e reformar o pensamento de manada. Poucas pessoas buscam questionar o além do senso comum. Basta ver como as pessoas aderem a movimentos nas redes sociais. 


Independentemente da causa ser justa ou não, é comum ver o efeito manada em alguns situações, e os mesmos não se manifestarem em outras. O principal motivo é que algumas causas e campanhas são abraçadas por coletivismos e outras não.


É impressionante como muitas vezes a opinião está moldada na aceitação de uma pessoa, grupo ou ambiente, do que de fato a visão real e coerente das pessoas, baseando-se em fatos, evidências, depoimentos e outros elementos.


Dados estatísticos são usados apenas quando convenientes para reforçar o que se defende, quando não, podem ser ignorados, distorcidos ou simplesmente inventado. O ser humano mergulha no seu próprio ego, na soberba, no mundo em que cria e pelo qual prefere viver.


A moça da matéria no início do texto é muito mais do que uma pessoa que se dedicava a religião e a Igreja e posteriormente se voltou para trabalhos eróticos. É uma pessoa com muitas camadas. Independentemente de ter tomado ou não as melhores decisões, há motivos complexos, que a levaram a se dedicar tantos anos a Igreja e depois abandoná-la e partir para as atividades de certa forma opostas.


Muitas vezes lemos o resumo e queremos entender o livro todo. É um mal do ser humano.


Quando somos vítimas, nos sentimos prejudicados, mas pouco ligamos quando estamos na posição mais confortável. 
Espero que tenha conseguido elaborar uma discussão um pouco mais complexa, fugindo daqueles debates superficiais.

Talvez ao ler esse texto não veja nenhuma conclusão. Sinceramente essa não foi minha pretensão, gostaria apenas de propor reflexão, como geralmente tento fazer em meus textos. Ir para o campo da ponderação, de tentar enxergar suas vertentes.



Sobre o Autor: 
Victor Garcia Preto   
Formado em Ciências Contábeis. 29 anos, Resido Ribeirão Preto.  Tenho um perfil de textos no Instagram: @textosinceros. Segue lá.

              



Direitos da imagem de capa:
 Image ID : 56999477
Media Type : Stock Photo
Copyright : waffleboo

About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.