Featured

8/Ele é/custom

O coração não se parte se você for inteiro

by julho 08, 2018


Encha-se de amor para não depender de ninguém para reabastecê-lo em seu coração. Encha-se de amor para dar amor a quem te devolve isso em dobro.

Encha-se de amor para amar quem não merece. Sim! Seja nobre e não leve a vida a pau e pedra, você não precisa disso. Adoce sua alma e não deixe a amargura crescer, não a alimente de mágoas, rancores e afins. Não perca seu tempo planejando vingança, invista seu tempo amando.

Ame sem moderação, mas não condicione sua felicidade única e exclusivamente ao fato de ter ou não o ‘tal grande amor’

Mas como controlar, quando de repente aquela pessoa especial chega do nada e se instala em sua vida?Você vive feliz e tranquilamente até essa “tal” pessoa aparecer.

E a partir do momento em que a encontra, é como se precisasse dela para continuar a viver. Por esse motivo, muitas pessoas levam anos para se curar de um ‘desilusão  amorosa’.

E o que eu, você, ele, ela, enfim, nós, não entendemos, é que somos os únicos responsáveis e donos do nosso destino. Entregue-se às dores e delícias de um amor, uma paixão, um lance, ou seja lá o nome que você queira dar aos seus sentimentos.

Mas não se torne dependente da outra pessoa!
Proteja-se e ame a si mesmo, mas seja também  capaz de viver o momento, de se jogar, de mergulhar de corpo, alma e coração. Mas e se por acaso não der certo ? E se eu me jogar e cair?

Aí você levanta, sacode a poeira, e mesmo com o coraçãozinho ferido, continua sua caminhada, consciente de que a vida tem lá seus altos e baixos.

Momentos felizes e tristes, decepções, tristezas, alegrias e conquistas, tudo isso faz parte do script da vida, onde temos a chance de nos reinventar quando acharmos propício.

Não importa o que aconteça, existe sempre um outro dia, um outro sorriso, uma nova chance de fazer e ser diferente.

O amor é isso, eternidade em segundos, sussurros que arrepiam a alma, abraços que trazem calma. Felicidade que nos devolve a paz.

Seu coração é inteiro, e o que pode se partir são os sentimentos. Sentimentos são expressões do nosso ser, do nosso espírito, são reflexos de tudo aquilo que somos.

Sentimentos podem ser restaurados, e o nosso coração é que promove a cura, nosso coração é o nosso guia e ele só para quando a eternidade nos convida a partir.

Então, não, ninguém parte o seu coração, ninguém é digno disso.




Sobre o Autor: 
Wandy Luz   Colunista e Apresentadora. Moro em Londres há 11 anos. Tenho muitos defeitos para ser perfeita, mas sou abençoada demais para ser ingrata. Sitewww.wandyluz.net 

              



Quando tudo dá errado, é momento de se recolher

by julho 07, 2018


A vida sempre me manda recados.

Raramente acontece, mas há momentos na minha vida em que tudo dá errado. 

Se eu me comprometo com determinado valor à risca, meu inconsciente sempre me acusará quando eu desviar, mesmo que um pouquinho, da estrada.

Meus valores são minhas estradas na vida. Eles têm grandes contribuições no que um dia serei e aonde chegarei.

Nesses momentos em que tudo dá errado, eu até demoro um tempo para acreditar que isso tudo está realmente acontecendo, até que eu constato aonde eu tenho errado para ter acarretado neste resultado.

Nessa perspectiva, eu imediatamente faço uma relação com a Torre, do Tarô, a qual basicamente nos diz: se tua casa está bem alicerçada, usufrua dela. Mas, esteja ciente de que, se caso ela não esteja, terá de lidar com a queda. E a queda pode ser forte.

Não adianta deixar para lá. Comigo isso não funciona. É o mesmo que esconder sujeira debaixo do tapete até que uma hora fique cheio e insuportável de tolerar.

Encaro esses momentos como um convite para colocar tudo em ordem, fazer minha avaliação, conserta o que foi feito; fortificando assim o meu compromisso com os meus valores e legitimando a minha competência sempre que possível.

Jamais devo ser corrupto para comigo mesmo. Isso pode me causar um estrago muito penoso.

Se fizer tudo certinho, não tem como dá errado.

Aonde você foi displicente, aonde errou, abre-se uma brecha para as coisas darem errado.

Quando tudo estiver errado, eu individualmente irei pausar tudo, me recolher e refletir: o que eu tenho feito de errado? Como eu tenho me comportado? O que eu estou sentindo de negativo? Por que?



É bom sentir intensamente

by junho 24, 2018

Já comprovei para mim mesmo que sou uma pessoa sensível.

Eu sempre fui muito observador, a ponto de empregar sentimentos a tudo que  me cercava. 

Ser sensível, na minha concepção, é ser capaz de estabelecer contato com tudo a meu redor. É você interpretar a beleza daquilo que muitas vezes é intraduzível. É conseguir enxergar o belo naquilo que, para muitos, é imperceptível. É estar constantemente conectado a tudo e a todos. É ser capaz de sentir as pessoas, as palavras e o tom velado em cada uma delas.

São muitas emoções. São muitos detalhes. Muitas informações.

Tenho a impressão de que tudo se auto multiplica por mudarem constantemente, e sou capaz de enxergar e interpretar tais alterações – um determinado lugar nunca será igual ao que foi ontem. 

Simplesmente emergem sensações vindas de tantas direções que eu as vezes não sei especificar de onde vêm. 

E eu vou captando-as, saboreando-as. Elas podem, contudo, me trazer paz ou amargar a alma, e podem até envenenar. 

Já as emoções que partem de mim, emergem sem filtro. Eu retruco, esperneio. Sentir tudo intensamente (ser sensível), para quase todos, conota sofrência. E eu sem dúvidas acho que isso é algo inevitável.

A decepção, a perca, a frustração, um dia vêm bater na nossa porta, mandadas pela vida no intuito de nos ensinar. A vida não é tão agradável como gostaríamos. 

Contudo, ser sensível também implica em viver mais. Viver com mais sabores, mais cores. Legitima que você está vivo, independentemente das razões por detrás das emoções. 

Ser sensível pode doer. Mas sinto mais e vivo mais. 

Ultimamente meu coração tem sido edificado com muitas emoções boas. Às vezes, simultaneamente em sincronia com outras que me doem. Geralmente, estas vêm do passado, de memórias ainda muito frescas, de pessoas, e, no final, me deixam com a garganta apertada para não escapulirem em forma de lágrimas.

Daí, tudo de que eu preciso, é me render.

As emoções me condicionam. São como o que o fogo faz para com uma folha de papel. Quando estou muito quente, fico à flor da pele; eu queimo

Mas é um efeito muito breve. 
Eu posso chorar, rir, espernear.
Qualquer coisa, nessas horas, pode servir de motivo. 
É como um pedido do peito, da alma. 
E como isso alivia... 

E assim como as cinzas que surgem da chama, posteriormente eu também fico mais leve.


Texto por Leone Brave


Meu Porto seguro que se chama "Eu mesmo"

by junho 23, 2018

Recentemente me dei conta de que preciso encontrar um Porto seguro em mim mesmo. E só serei esse porto seguro quando eu aprender a ser uma pessoa forte. E, para que eu aprenda a ser forte, acredito que preciso viver, errar e aprender

Mas aprender através do amor, sempre que possível. 

O coração parte, uma decepção atinge, e me pergunto se posso fazer algo para conseguir pular para fora dessa tristeza que fica nos espremendo e fica flutuando sob nossas cabeças. 

Procure fazer algo que te faça feliz hoje”, imediatamente penso. 
Alguma coisa pode? Às vezes, acho que não. 

Às vezes, nessas horas, tudo o que se pode fazer é esperar que cicatrize por si só. E o remédio para essa ferida? O tempo

Toda e qualquer tipo de ferida leva tempo para se curar. Leva tempo. E eu, querendo ou não, apenas mergulho dentro dela, vivo e sinto a dor, porque é simplesmente impossível evitá-la ou fingir não sentir, fingir que a ferida não está ali: a dor, vez ou outra, sempre emerge para me fazer lembrar. 

E por mais que doa muito, eu já aprendi que passa. Vai passar. Mas, enquanto isso, apenas caio em negação e tudo perde o sentido. E a única vontade que tenho nessas horas é de correr sem parar. Fugir. Abandonar. Tentar apagar da mente, o que, se possível, seria maravilhoso, porque tem vezes que é simplesmente impossível resolver certos tipos de sentimentos com uma solução simples, qualquer, como “fazer algo que me fará feliz hoje”

Então, constato que eu preciso ser o meu Porto seguro.

Não me refiro a ser um Porto seguro no sentido de ser frio, insensível, mas ser um porto seguro no sentindo de “estou aqui, vamos atravessar isso juntos, e está tudo bem”. 

Um Porto seguro no sentido de ser independente e não precisar me encostar no outro para me sentir feliz. Se eu estiver com alguém, que seja por opção e jamais por necessidade ou carência. 

Um porto seguro no sentido de ser autossuficiente e estar com uma pessoa para que assim eu possa somar ou transbordar, não para completar a mim ou vice-versa. 

Um Porto seguro no sentido de não delegar ao outro a responsabilidade pela minha felicidade uma vez que serei completo

Eu vou superar. 
Vou dar a volta por cima. 

____________
Volto aqui, 4 meses depois, para comprovar que superei e dei a volta por cima. 
Tudo passa. 

Acalma esse coração. 
Vai passar.
Confia

Texto por Leone Brave


Confiar

by junho 23, 2018

Confiar. 

Que pretensão achar que posso controlar qualquer coisa que esteja fora da minha área de atuação. 

Muito ajudaria se pudéssemos prever ou simplesmente entender as coisas que me rodeiam e como atualmente estão, ou as pessoas com quem convivemos. Mas não temos superpoderes. Estamos em nossa mera condição humana. 

Quando as coisas perdem o controle e o problema continua ali, ainda muito quente, esperando por um balde com água para se esfriar, o que nos resta a fazer é, ou confiar que esfrie por si só, ou ir até lá e tentar fazer algo. Você quer fazer algo e de forma súbita se dá conta: não tenho balde algum em mãos; não posso fazer nada. Será que essa coisa vai esfriar? 

Nesses momentos de incapacidade, o que sei que posso e prefiro fazer é confiar. 

“Vai dá tudo certo... Vai dá tudo certo. Está tudo bem...” 

A sensação que me dá quando pronuncio estas palavras é de, literalmente, libertação. Conscientização de que existem coisas das quais não são da minha alçada. 

Eu sinto como se estivesse me libertando de um referido problema ou contratempo. 

Eu não tenho controle sobre o outro. Determinadas situações não dependem diretamente de mim. Aí eu me dou conta de que não tenho varinha mágica.

Mas essa libertação, essa ideia de que algo superior está regendo isso por mim e que tem planos maiores, ajuda consideravelmente e, inclusive, me traz paz por saber que minha parte será feita (e deve) e que tudo tem um proposito nesta vida. 

Independentemente de como será. 
Independentemente de como isso termine. 
Eu confio. 
E estará tudo bem da forma como isso terminará.  

Texto por Leone Brave


Eu vivo em constante almejo por mudança

by maio 05, 2018

Há muito a ser discutido sobre "mudar".
Mudar aqui dentro.

Eu vivo em constante almejo por mudança. Mudanças internas estão sempre presentes em minha vida e as busco sempre. 
De tempos em tempos, ao passo que a maturidade vai se desenvolvendo e à medida que as circunstâncias da vida me espreitam e me solicitam mudar, eu constato que preciso efetivar uma mudança. Seja em pensamento, uma postura, uma característica, enfim. 
Outras vezes, a mudança é automática. Eu a percebo e instantaneamente eu me estranho, me observo, até que eu me habituo com esse meu update. Tanto é que eu não reconheço quem eu era até ontem. 

Então, pode surgir uma vontade de mudar que é própria minha. Mas, essa mudança, está sendo requerida pela vida, ou será eu que penso que achei um atalho para evoluir na vida? Qual a minha real intenção em visar efetivar essa mudança? Em nome do quê? De quem?
Será que eu inconscientemente tenho a intenção de atender aos caprichos de terceiros e do meu ego?Será que esta mudança almejada está sendo condizente com minha essência? Ou será que estou agindo pela influência de outros ou de coisas que eu tenho absorvido?
São perguntas muito importantes.

A influência sempre podou a minha mudança e me ajudaram a definir e a selecionar o que eu conscientemente almejo me tornar e, paralelamente, no entanto, as influencias já me desviaram da minha essência. 
Acho que é fundamentalmente importante ter bem claro e consolidado na nossa mente o que eu quero ser, o que eu acho certo, quais os meu valores, pois, desse modo, eu terei mais tato para filtrar essas influencias.

E além disso, viver.
Apenas viver. Porque a mudança é algo conquistado, é uma consequência da vivência.
Não a acho que, majoritariamente, tenho autonomia para mudar a mim mesmo. O que eu posso fazer é buscar fazer coisas que me agreguem algo, que irão mudar-me. E, nesse sentido, cabem os livros que você lê, os lugares que você visita, as pessoas com quem conversa, as coisas que você fala, o que você aprecia, entre outros. 

Conheço uma pessoa muito próxima a mim que, apesar de ser jovem, se esforça em tentar ser maduro tentando se portar como tal. Não é nada espontâneo, especialmente para os olhos de quem o conhece, pois dentro ainda continua sendo o mesmo moleque, com pesamentos mesquinhos e atitudes que contradizem a mensagem que ele tentava passar. Onde está  problema? Será que está na idade certa? Será necessário? Será que viveu e tem bagagem o suficiente para atender à sua ousada demanda?

Eu acho que existe um plano maior sob o nosso.

E quanto a resistência acerca da mudança? É inevitável, a vida sempre faz o chamado. 
É preciso destreza e coragem para enfrentá-la


Texto por Leone Brave


About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.