O Branco Que Nunca Vi, Ou Que Nunca Quis Ver


Assisti ao filme Loucas para casar. Sim, o filme é muito divertido, é ótimo, mas a lição que passa no final, não sei aos outros, mas me deixou muito pensativo, me fez pensar e repensar em muitas coisas.

Uma personagem dizia algo mais ou menos assim:

“O branco é único, o branco é a junção de todas as cores.”

De certa forma, pelo enredo do filme, digamos que… criamos personagens, imaginamos as pessoas como queremos que elas sejam e, nessa altura, iniciamos uma convivência que claro NÃO será sadia e leve, pois aquilo que você vê é algo que VOCÊ criou, não o real.

No filme, ela ainda diz que quando conseguirmos ver que “a determinada pessoa” não é nada que você imagina, aí sim pode dar certo, afinal, aí sim você está vendo a mais pura essência, você não está se iludindo, e a outra pessoa, NÃO TEM CULPA NÃO, ela não disse para você imaginar ela, ela é o que é, foi você quem criou o personagem.

Às vezes uso muito a seguinte frase por causa dos meus textos e comentários:

Sou responsável pelo que escrevo e não pelo que você entende ou interpreta” (Clarice Lispector), e neste caso, a pessoa, o outro, é responsável por quem ELE É e não pela pessoa que você IMAGINOU que ela seja, e criamos o personagem de acordo com as nossas necessidades.

Sinceramente, entrei para assistir o filme muito bem-humorado e bem acompanhado, mas saí de lá como se tivesse levado um banho de água fria, ou melhor, como quem tomou o maior puxão de orelhas do mundo da vida.

Na hora que saí lembrei também de algumas coisas que conversei meio-dia com um amigo e fiquei pensando em um monte de coisas que preciso mudar.

Sim, pois, eu, olhando para trás, percebi que já criei inúmeros personagens pelos quais me apaixonei, pelos quais lutei um bom tempo para que a convivência fosse boa e leve e que com o tempo se acabaram, pois eles eram apenas CRIAÇÕES MINHAS, nunca existiram.

Quero daqui pra frente não saber mais das qualidades que o outro tem, qualidades são sempre fáceis de adaptar e conviver. Quero prestar atenção nas pequenas coisas que você tem e que me incomodam, nos defeitos, pois, se estou disposto a isso preciso conviver com as coisas que HOJE me incomodam, e me incomodam porque não estou convivendo com isso.

Acredito hoje que o segredo está aí: não imaginar que o outro possa ser isso ou aquilo para que assim EU POSSA ficar em uma zona de conforto, mas sim vê-lo do jeito que ele é e aí sim poder escolher se quero ou não conviver com isso, com estas diferenças, com estas coisinhas que me incomodam hoje, mas que amanhã podem ser positivas.

TUDO que não estamos acostumados a fazer ou a conviver com, no início, pode parecer “forçado”, mas é a repetição que vai tornar isso uma rotina agradável e leve para o… “estar juntos”, afinal para algumas coisas, algumas regras são necessárias, mesmo sendo diferentes do nosso cotidiano normal.

Sair da zona de conforto não é fácil, mas pode ser válido para quem esteja a fim de arriscar.

Penso que muitas coisas a partir de hoje terão outro sentido para mim, serão vistas com outros olhos, mas estou disposto a largar os personagens que por muito tempo me deixaram nesta zona de conforto e enfrentar coisas que não conheço ou que me machucaram um dia.


Sobre o Autor: 

Hugo Salum  Marketeiro e escritor. Aquariano de corpo e alma ,curioso, autêntico e sincero (até demais). Quando escrevo, não tenho rodeios: coloco logo o que penso, de maneira clara, precisa, direta e transparente, sem deixar de fora do papel algumas pimentas&polêmicas (porque quanto mais quente, melhor!). Procuro estar sempre aberto às mudanças, pois a vida é feita de transformações, aprendizado e amadurecimento. Amo café, coleciono canecas, sou pai de três filhos lindos e maravilhosos (#paicorujasimsenhor). Estou sempre sorrindo e festejando, afinal amo viver e por isso acho que cada dia a mais neste mundo já é motivo para celebrar! Este sou eu, o Salum. (www.hugosalum.com.br).
      

Comentários:

Nenhum comentário

About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.