Featured

8/Ele é/custom

Um hora a gente aceita

by maio 17, 2019

Quando há chuva, não a posso parar. Mas posso decidir o que fazer apesar da chuva.

Como eu pude relutar, resistir tanto, e por tanto tempo? 


Não aceitar, gera angústia, muita dor. É como atirar-se sob um campo de ortigas: seria simplesmente loucura; no entanto, é isso o que frequentemente fazemos nesta vida.

Deixando de lado as metáforas, serei mais claro e sutil: não me aceitar, não aceitar as circunstâncias, tentar controlar as pessoas e as situações, não aceitar as condutas de outrem; e como resultado se sentir um incompetente por não ter minhas ideias controladoras atendidas quando se tratava apenas de limites.

É realmente a sabedoria da aceitação.


Com o amadurecimento emocional, com o autoconhecimento, você passa, no entanto, a não mais sofrer intensamente pelos nãos que recebemos do outro, pelas escolhas que eles tomam, pelo coração que não pudemos segurar e, por fim, finalmente nos aceitamos incondicionalmente – eis um grande obstáculo nesta vida!

Hoje, eu entendo a vida e sei que ela se comunica conosco e que tudo está da forma como deve ser. Eu confio fortemente na vida, em Deus e também conquistei a confiança em mim mesmo. Somos três algas marinhas entrelaçadas, soltas do recife, mar adentro - ainda iremos visitar a muitos lugares. 


E os imprevistos nos sobrevêm, dizendo que precisamos nos movimentar, sair da zona de conforto. Eles, hoje, até são bem-vindos.

E a vida sempre me manda os recados, como um bilhetinho empurrado por baixo da porta enquanto você dorme. 


E, então, é quando as coisas começam a dar certo.

Tudo isso para indicar uma coisa: você aprendeu, você superou.





Sobre o Autor: 
Leone Da Costa    
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             



Aceitei

by maio 15, 2019



Voltei-me para a verdade
De face para ela,
Fitei seu simples semblante
E subitamente
Foi quando, então
Eu entendi.

Aceitei a chuva a cair sob meu quintal.
Tal qual a flor
Decida sobre o que fazer
Apesar das lagartas que a comem.

Aceitei as rendas
Que me costuram ao outro,
E as quais, outrora,
nos descosturam.


Assim como aceitei o pousar esporádico
De um beija-flor em meu ombro.
De vez em quando,
Das andorinhas
Que, às vezes,
me beliscam o pé da orelha.

Aceitei o imutável, o inevitável
Aceitei O sorriso passado
Ainda estampado naquela fotografia
Aceitei o meu ser
Aceitei o meu estar
Aceitei a verdade
Aceitei a vida




Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             



Crescendo e Viajando

by maio 10, 2019

O homem que eu estou a me tornar? À cada dia mais confiante, mais audaz e mais corajoso; à cada instante mais preparado, e de tempos em tempos, amadurecido para a existência, para a vida. Um homem falho, imperfeito no seu harmônico jeito de ser; entretanto, com a ternura necessária para escutar o seu coração e se permitir pressentir por qual porta deve seguir. 

O esquema da vida, costumeiramente inseguro e hesitante, com suas rédeas indomáveis e deliberadamente imprevisíveis; não eclipsam o sopro que vem do meu coração; aquele professar que vem abraçado de uma sutil entoação de “confia, vai ficar tudo bem”.

A sensação de se estar ciente de que Ele está a segurar minha mão, me denota um ar de impetuoso e leviano. Todavia, enquanto no meu caminhar, eu apenas quero compreender quem eu sou. E vou me discernindo, me desvendando em meio as eventualidades, meio aos tiros, no calor, na primavera. À cada passo, uma evolução.

Os sonhos do peito são tão quentes que queimam por dentro. Meu sangue ferve para eu ir atrás dos meus objetivos, e para tal, uma única coisa nos é requerido: atitude e deliberação. Nada mais.



Sobre o Autor: 
Leone Brave   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             


Porque seu filho é rebelde e desobediente

by maio 01, 2019


O que acontece na educação dos filhos: os filhos se rebelam a partir do momento em que a estrutura e ambientação internas, no lar, estão a ser trepidadas pelas neuroses dos sujeitos os quais os constituem. 

Os filhos, pressupondo que o curso tomado pelo meio família não é conciso, mas ineficiente e incompetente, afastam-se deste tipo de contexto familiar à procura de uma fantasiosa felicidade fora dela; contudo, já de mãos dadas com sensações altamente tóxicas resultadas da educação que recebeu do lar e as quais terminam por eclipsar o real resultado que se esperava, culminando, desse modo, em jovens que podem até usar das drogas e do ego (vaidade, complexos, etc) para falsear a sensação de mal estar e raiva trazidos de um lar conturbado. 

Pais, não estressem seus filhos. Um lar em que, independentemente do status social, do número de pessoas, da rotina que têm, etc.; se as tradições e comportamentos deste meio geram bons resultados, ou seja, que efetivamente promovem no ambiente, dia a dia, a sensação de tranquilidade, paz ou alegria, e que valorizem a autenticidade da crianças e que não reprimem; tendem, por sua vez, a sintetizar filhos que não buscam estas sensações fora da família, uma vez que já os possui ou os satisfazem, além de produzir indivíduos que lidarão melhor com as pressões sociais. Onde não há paz, não haverá paz em lugar algum.

Quantos filhos que por não terem amizades com os pais ou que, por muitas vezes, os considerarem inimigos, buscam em colegas a intimidade que não encontram no lar? 

Em acréscimo a esse item a ser discorrido, A questão é que, diante de um ser a quem o adolescente odeia, ele tenderá, quase que inevitavelmente, ser “do contra”: um adolescente jamais obedecerá tampouco ouvirá à quem ele detesta. Mas o contrário pode acontecer. Chame a atenção, mas não lhe tire o valor, seu filho tem sentimentos e igualmente merece ser respeitado. Eis o ponto de uma relação sadia em todos os âmbitos. O respeito não pode deixar de existir. Não cobre, não o ofenda. Dialogue e, mais especificamente, exponha como se sente só que sem cobranças; instigue a reflexão do filho acerca das condutas que deixam os pais tristes.

A carência emocional, por sua vez, a qual é ocasionada na infância com o recalcamento da sua natureza interna, ou seja, o tolher da autenticidade do indivíduo, é o que futuramente culminará, devidamente a este auto-abandono; na depressão e em inúmeras formas de neuroses e complexos. Uma das grandes curas, aliás, está no esquema contrário a este exposto: promovendo sua autoconfiança, autoestima e espontaneidade desde a infância e mesmo depois de adulto, o indivíduo esmiuçará a referida doença em enormes proporções. 

Agir em conformidade com sua natureza, com o que verdadeiramente se é, promovendo a autenticidade; já os liberta de muita angústia e sofrimento, em especial (em casos extremos) da depressão.

Vale mencionar que o ideal, na educação de um filho, é estimular sua autoconfiança e autoestima; deixando-os que façam escolhas autônomas e requerendo que eles façam o que já são capaz de fazer, e delegando a eles responsabilidades com as quais já sabem lidar. Então, mães, não precisam fazer as coisas que suas crianças de vinte e poucos anos já sabem fazer apenas para se sentirem úteis. Mas, enfim, a natureza é sábia e sempre nos empurra, por bem ou mal - e muitas vezes através do sofrimento -, que amadureçamos emocionalmente. A vida e a natureza são como a mãe que cobra do filho que coma sozinho na medida que já aprendeu isso.




Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             




Hoje eu sei

by abril 29, 2019

Aprendi que alegria não é difícil, ela só não é simples. E quanto ao sofrimento, aprendi que faz parte. Muitas vezes, aliás, ele é necessário; e a pessoa, por sua vez, necessita confiar. Confiar na escuridão, nas tempestades; afinal, um mar calmo não produz marinheiro experiente e prudente.

Confia. Há sempre uma solução por detrás das cortinas. Apenas não atire as cartas no chão e arremesse a mesa para o ar. Viver não é um jogo lógico, é sem manual de instrução, e por isso muitos tendem a insistir tanto, a martelar tanto, tanto, tanto em objetivos um tanto eclipsados, e tendem a correr atrás de coisas e circunstâncias que são completamente irrelevantes.


O que é relevante, afinal? 


Você. Seu sorriso. Seu coração. São relevantes independentemente de quem você acha que ama. Independentemente do que esteja acontecendo em torno de si. Independentemente das gotas que acariciaram sua face. Apenas retome o controle e sua responsabilidade. E confia. Porque sua alegria é a mais relevante.


Aprendi que a natureza protege a inocência, mas não a consciência. Por isso, procure não só aprender mais, mas também a aplicar tudo o que se aprende, porque sim, a vida sempre nos cobra o que já sabemos.


Aprendi que o ato de aceitar as coisas e as pessoas como são é uma atitude abençoada. É realmente a “sabedoria da aceitação”. Um dia nos damos conta das nossas exigências tão perfeccionistas e das nossas expectativas tão altas com as quais acarretamos tanta angústia e sofrimento, não é mesmo? 


E com isso vêm a sabedoria de aguardar; sem pressa, sem expectativas: você sabe que vida dá e tira independentemente da nossa vontade. E daí você abre mão das suas ideias controladoras, afinal, você não tem como mexer no que está fora da sua alçada.


Viver é aprender. E neste jogo de raciocínio, o presente é prazer em poder adquirir sabedoria e experiencia, seja pela dor ou pelo amor: independente de qual seja, eles legitimam que você está vivo. E viver é tão maravilhoso.



Eu aprendi que viver é realmente isso: caminhar através de uma vasta área permeada por montanhas. Viver é altos-e-baixos-constantes, em diferentes proporções, em diferentes intensidades.

E garanto: a vida sabe retribuir de forma justa.





Sobre o Autor: 
Leone Da Costa   
24 anos. Professor. Idealizador do blog Papicher. Leonino.  De tudo que tenho na minha vida; música, aprender e livros são minhas paixões! Mais do que isso, poder compartilhar tudo o que eu tenho aprendido até aqui. Apaixonado pela vida., I make myself .

             


Pete Buttigieg: jovem, gay e veterano de guerra concorrerá à Presidência dos Estados Unidos e ganha evidência

by abril 17, 2019

Pete está ganhando cada vez mais notoriedade entre os americanos e, especialmente, nas mídias sociais. Jovem, gay e veterano de guerra, Pete Buttigieg concorrerá à Presidência dos Estados Unidos e ganha evidência nas redes social pelos seus discursos e, claro, pelo seu perfil indiscutível; afinal, ele, se for eleito no próximo ano, será, além de o primeiro gay, será também o mais novo presidente dos EUA com seus 37 anos de idade. Pete também é casado com um homem.


Diante do cenário saturado de escândalos e discrepâncias que o cenário mundial tem vivenciado nos últimos cinco anos, sendo ainda mais atenuado nos Estados Unidos e o qual foi afomentado pelo "singular" atual presidente - Trump -; a considerável interrogação que emerge e se faz presente no pensamento de quase todos os indivíduos terrestres é: e depois do mandato de Trump, quem irá tomar a Casa Branca? 



Aliás, será que aquele lá - Trump - vai continuar no poder? A possibilidade assustadora disso acontecer existe, estamos cientes. Contudo, muitas pessoas nas ultimas semanas têm levado em consideração uma esperança, e ela está nele: a figura democrata Pete Buttigieg.

Cheque o vídeo:





Consegue imaginar a dimensão da revolução em que isto seria no cenário mundial? Redefiniria muito do conhecido tradicional, promovendo, como consequência, o respeito. Quem puder pesquisar sobre Pete, constatará sua integridade, inteligência e prudencia para merecer o acento na Casa Branca. 

Contudo, não querendo ser desanimador mas apenas verídico, sabemos que as pessoas tem uma inclinação a serem conduzidas por emoções de ódio e intolerância. Foi o que resultou na eleição, tanto de Trump nos EUA quanto de Bolsonaro no Brasil. Pessoas que, apeladas por seus lados primitivos, seguiram discursos totalmente contrários ao bom senso.




About me

Papicher 2014©. Tecnologia do Blogger.